Publicado en línea el Lunes 7 de marzo de 2016, por Ariosto Martins

Nada obstante o ex-presidente Lula não ter se recusado a atender intimação para depor na Polícia Federal, ele foi conduzido coercitivamente para tal fim. As reações da parte mais consciente e progressista da sociedade à violação do estado de direito não demoraram a ocorrer, tendo o Ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello, entre outros, dito:

"Me preocupa um ex-presidente da República ser conduzido debaixo de Vara".

E prosseguiu:

"Condução coercitiva? O que é isso? Eu não compreendi. Só se conduz coercitivamente, ou, como se dizia antigamente, debaixo de vara, o cidadão de resiste e não comparece para depor. E o Lula não foi intimado".

"Precisamos colocar os pingos nos 'is'. Vamos consertar o Brasil. Mas não vamos atropelar. O atropelamento não conduz a coisa alguma. Só gera incerteza jurídica para todos os cidadãos. Amanhã constroem um paredão na praça dos Três Poderes".

Colocados contra a parede pela parte mais consciente e progressista da sociedade, tanto o Juiz que deferiu o pleito de condução coercitiva do Lula quanto o Ministério Público Federal, que formulou o tal pleito, tentaram justificar o 'ato de força'. Num deslize freudiano, o Juiz onipotente Sérgio Moro se justifica dizendo que "a condução coercitiva do Lula não é antecipação de culpa". Já o Ministério Público Federal, por seu turno, se explicou com a seguinte justificativa:

"Considerando que em outros 116 mandados de condução coercitiva não houve tal clamor, conclui-se que esses críticos insurgem-se não contra o instituto da condução coercitiva em si, mas sim pela condução coercitiva de um ex-presidente da República. Assim, apesar de todo respeito que o senhor Luiz Inácio Lula da Silva merece, esse respeito é-lhe devido na exata medida do respeito que se deve a qualquer outro cidadão brasileiro, pois hoje não é ele titular de nenhuma prerrogativa que o torne imune a ser investigado na operação Lava Jato."

Como se vê, o Ministério Público Federal do Brasil se vale dos 116 erros que cometeu anteriormente para justificar seu centésimo décimo sétimo erro, e ainda põe a culpa do seu décimo sétimo erro naqueles que reagiram a esse erro e não reagiram aos 116 erros anteriores. Não faz muito tempo, o Superior Tribunal de Justiça absolveu um pedófilo ao argumento de que ele não foi o primeiro a estuprar a criança. Como se constata, o Ministério Público Federal utilizou de argumento semelhante ao do Superior Tribunal de Justiça, com a diferença de que o Superior Tribunal de Justiça se utilizou dos crimes cometidos pelos pedófilos anteriores para justificar a impunidade do último pedófilo, enquanto o Ministério Público Federal se utiliza dos 'atos de força' anteriores para justificar mais um 'ato de força'. Destarte, o Ministério Público Federal do Brasil não tem originalidade nem para violar a ordem jurídica.

Vê-se, pois, que o Ministério Público Federal do Brasil acha que está certo não porque não errou mas porque a sociedade não reagiu aos seus erros anteriores. Esse argumento se assemelha ao argumento de um estuprador que, ao cometer o décimo estupro, acha que deve continuar impune porque não foi punido pelos nove estupros anteriores.

Porém, o Ministério Público Federal acaba reconhecendo a gravidade da condução coercitiva ao afirmar que "trata-se de medida cautelar muito menos gravosa que a prisão temporária". Ao fazer tal afirmativa, o Ministério Público Federal do Brasil lança um falso dilema para a sociedade: se Lula não fosse conduzido coercitivamente para prestar depoimento, ele seria preso temporariamente.

Por fim, o Ministério Público Federal confunde imunidade de investigação com ausência de condução coercitiva, como se as reações negativas da sociedade ao 'ato de força' do Juiz Sérgio Moro e do Ministério Público Federal fossem contra a investigação do Lula, e não contra a sua condução coercitiva sem recusa anterior de comparecimento à audiência.


[ Imprimir este artículo ] [ Enviar a un amigo ] [ Ir a la cabecera ]
 

 
 

   APPS

   ARGENTINA

   DEMOCRACIA

   DERECHOS HUMANOS

   DESARROLLO/GLOBALIZACIÓN

   DIÁLOGO NORTE-SUR

   ECOLOGÍA VS ECONOMÍA

   ENLACES - LINKS

   ESPAÑA

   EUROPA

   HONDURAS

   MÉXICO

   OLVIDADOS POR LA HISTORIA

   PUEBLOS INDÍGENAS DE AMÉRICA

   SOLIDARIDAD

   TRIBUNA LIBRE



LISTA DE CORREO


�Desea participar al enrequecimiento de esta p�gina?

�Quiere denunciar alguna situaci�n?

Env�enos su art�culo a esta direcci�n de correo electr�nico:

   webmaster@respublicae.org

[ Mapa del sitio ] [ Ir a la cabecera ]

 


 
En la misma sección

Leer otros artículos :
5 niños intentan suicidarse en una comunidad aborigen de Canadá
Temperley: vecinos marcharon hacia la comisaría barrial
FM De la Calle tiene licencia
Combo Cambiemos: Despidos, paritarias a la baja y flexibilización de los convenios
Se lanzó el paro a pura marcha en Rosario
Flybondi: “Hasta que no haya una catástrofe a esto no lo para nadie”
Vuelta del Río reclama una escuela para la comunidad mapuche
"La presencia de represores del Operativo Independencia fue un agravio terrible"
Nativos paraguayos rechazaron fiestas del 12 octubre
Los valores indígenas ancestrales, presentes en el conurbano bonaerense

EN LA RED :
Un monde de pauvreté
VIVAN LOS DDHH
Repudio a la represión de la comunidad del Lof Lafken Winkul Mapu
Alerta y movilización en defensa del FONID
Una gran victoria: la Justicia Penal de San Isidro rechazó desalojar Punta Querandí
Cuanto peor, mejor: la torre de control ordena el despegue de los conflictos que vienen
utpba, otro acuerdo de espaldas a los trabajadores
Subte: Volvieron las medidas de fuerza por conflicto salarial

[ Ir a la cabecera ]
 

Portada En breve Mapa del sitio Redacci�n


Respublicae.Org es un portal abierto que se nutre de los trabajos de muchos colaboradores ben�volos externos, de diferentes origen e ideolog�a. Por lo tanto, los administradores de este portal no se hacen responsables de las opiniones vertidas en los art�culos que aqu� se publican.
Copyright © RESPUBLICAE.ORG 2003-2007
Sitio web desarrollado con SPIP, un programa Open Source escrito en PHP bajo licencia GNU/GPL.
Dise�o © Drop Zone City & Respublicae.Org