Publicado en línea el Jueves 24 de septiembre de 2020, por Metropoles

O setor de projetos de capital e infraestrutura dá sinais de recuperação após o susto com a pandemia. Segundo o relatório Gastos em Infraestrutura e Grandes Projetos – Tendências para 2025, lançado pela PwC em parceria com a Oxford Economics, os investimentos vêm sendo retomadas e a perspectiva é que continuem crescendo na próxima década. O estudo envolve 49 países responsáveis por 90% da produção econômica em todo o mundo incluindo o Brasil.Alavancado pela indústria extrativa – com o aumento de demanda por commodities, campos de pré-sal e transportes -, o setor deve aumentar os investimentos com infraestrutura, em média, 6% ao ano chegando a pouco mais de US$ 300 bilhões em 2025. No mesmo ano, em termos de comparação, em toda a América Latina, os gastos no setor devem chegar a US$ 557 bilhões anuais.Com o objetivo de facilitar o trabalho do time de construção, aumentando a agilidade, a previsibilidade e a performance ao longo de todo o ciclo de vida de projeto, a implantação da AWP (Advanced Work Packaging) aparece como aliada do setor. Utilizando a inovação e tecnologia em cada etapa do processo, com essa metodologia é possível criar pacotes de trabalho de instalação com foco na melhor sequência de montagem e nas necessidades da construção.“Para o pós-pandemia, é necessário que a assertividade na execução dos projetos esteja à frente, tendo como base um cronograma detalhado incluindo a logística, a dinâmica, força de trabalho e, claro, resultados. Esses são alguns exemplos das vantagens e ganhos com a implantação da AWP, metodologia já adquirida por inúmeras empresas dentro e fora do Brasil”, explica David Elio, head of Capital Projects and Infrastruture da Verum Partners.AWPSemelhante a uma linha de montagem, onde as peças/projetos são produzidos em diferentes etapas, e o canteiro de obras é o local onde elas são integradas, na construção industrial, as etapas de trabalho não estão ligadas apenas com a fabricação das estruturas, mas sim, com a supervisão e o controle de qualidade. Com um monitoramento contínuo para se aumentar a produtividade, mesmo antes da crise causada pelo novo coronavírus, representantes do ramo já começavam a articular-se na busca por sistemas construtivos que fossem capazes de proporcionar mais eficiência e qualidade, redução dos ciclos dos empreendimentos, assertividade no cronograma de obra e redução dos custos das obras.Neste sentido, devido à otimização de todos os processos envolvidos – o que corresponde aos anseios do setor, com a metodologia os resultados financeiros são melhores. “Principalmente em momentos de crise, empresas que adotam a AWP conseguem obter economia em seus projetos”, pontua David Elio. Segundo ele, assim é possível gerenciar o passo a passo da obra, organizando digitalmente e de forma detalhada todas as fases de produção. “O resultado é a otimização dos processos, sem brechas para que as equipes fiquem ociosas ou gerem retrabalho. Além disso, a previsibilidade da obra permite uma melhor gestão de pessoas e processos, o que contribui com a necessidade de distanciamento no controle da Covid-19”, reforça.Boas práticas na construçãoCom a pandemia, o cuidado com a saúde e a segurança dos trabalhadores deve estar na ordem do dia em todos os canteiros de obra e também na empresa como um todo. Exemplo disso é o Plano de Contingência Nacional para a Infecção Humana pelo novo Coronavírus – COVID-19, lançado pelo Ministério da Saúde.Com a mesma intenção, a Verum Partners, em parceria com o Grupo ASI, acaba de lançar a Comunidade de Práticas AWP América do Sul, que visa compartilhar conhecimento, incentivar a discussão e promover a adoção de metodologias estratégicas exclusivas para a maior eficácia e segurança do gerenciamento de projetos, além de ressaltar os cuidados com a vida do colaborador.Na Comunidade existem fóruns para o fomento de informações relevantes sobre a metodologia AWP, implementada com muito sucesso a partir do Canadá para todo o mundo. “Atualmente, o maior foco de implantação tem sido em grandes projetos de capital e infraestrutura, mas um dos nossos principais objetivos é quebrar esta barreira, ressaltando a importância de se aplicar a metodologia em projetos menores também”, comenta Rodolfo Rocha, director of Capital Projects and Infrastruture da Verum Partners.A participação de pessoas e empresas ligadas ao setor é aberta e gratuita. Conheça mais sobre a Comunidade de Práticas AWP América do Sul no LinkedIn.Website: http://www.verumpartners.com.br

Fonte: Metropoles

The post Projetos: metodologia AWP propõe vantagem competitiva no pós-pandemia appeared first on Adital .


[ Imprimir este artículo ] [ Enviar a un amigo ] [ Ir a la cabecera ]
 

 
 

   APPS

   ASIA

   DEMOCRACIA

   DERECHOS HUMANOS

   DESARROLLO/GLOBALIZACIÓN

   DIÁLOGO NORTE-SUR

   ECOLOGÍA VS ECONOMÍA

   ENLACES - LINKS

   ESTADÍSTICAS

   EUROPA

   LATINOAMÉRICA

   OLVIDADOS POR LA HISTORIA

   SOLIDARIDAD

   TRIBUNA LIBRE



LISTA DE CORREO


�Desea participar al enrequecimiento de esta p�gina?

�Quiere denunciar alguna situaci�n?

Env�enos su art�culo a esta direcci�n de correo electr�nico:

   webmaster@respublicae.org

[ Mapa del sitio ] [ Ir a la cabecera ]

 


 
En la misma sección

Leer otros artículos :
Afganistán: Las fuerzas de seguridad disparan contra manifestantes que expresaban su indignación por el atentado de Kabul
18/03/16 - [ENTREVISTA ESPECIAL] â€ËÅ“Los mártires son testigos de la fe en América Latinaâ€â„¢
Huzíes de Yemen deben anular la condena a muerte de un preso de conciencia bahaí
L’armée russe occupe des bases militaires US
Gambia: El estado de excepción no es una licencia para la represión
Les parlementaires turcs interdits d’évoquer le « Kurdistan » et le « Génocide arménien »
Videoclip "Que no os digan". Por EU LIBRE
Charla en Leganés (Madrid)
Hackers patrocinados por el Estado lanzan un sofisticado ciberataque contra Amnistía Internacional Hong Kong
Cresce uso de robôs de Inteligência Artificial em seleção de funcionários; veja vagas

EN LA RED :
Campagne médiatique antichinoise organisée par l’Australie
Londres a organisé des attaques contre Moscou (Lord Sedwill)
Qu’est-ce qui intéresse les Russes dans la guerre du Haut-Karabagh ?, par Valentin Vasilescu
Covid : un couvre-feu pour quoi faire ?, par Thierry Meyssan
Selon Washington, c’est l’Azerbaïdajan qui ne respecte pas le cessez-le-feu
Ilham Aliyev : « Il n’y aura pas de référendum [au Karabagh], jamais ! »
L’Arménie et l’Azerbaïdjan sont les perdants et les États-Unis les grands gagnants, par Valentin Vasilescu
Karabagh : la Grèce, la Russie et la Turquie se préparent à entrer en guerre

[ Ir a la cabecera ]
 

Portada En breve Mapa del sitio Redacci�n


Respublicae.Org es un portal abierto que se nutre de los trabajos de muchos colaboradores ben�volos externos, de diferentes origen e ideolog�a. Por lo tanto, los administradores de este portal no se hacen responsables de las opiniones vertidas en los art�culos que aqu� se publican.
Copyright © RESPUBLICAE.ORG 2003-2007
Sitio web desarrollado con SPIP, un programa Open Source escrito en PHP bajo licencia GNU/GPL.
Dise�o © Drop Zone City & Respublicae.Org